AMÉRICA CONTEMPORÂNEA: IMPERIALISMO E LATINIDADE


Ao final da Guerra Fria, a política externa norte-americana para a América Latina foi marcada por uma lógica geopolítica que se aliava à ênfase nos interesses econômicos, à afirmação do modelo neoliberal e à perspectiva de um multilateralismo limitado, porém emergente. Nesse contexto, a política de segurança dos EUA em relação à América Latina foi definida de formas variadas.

Entre os principais conflitos que ameaçam a segurança norte-americana no continente, destacam-se:

 

I – A criação do Plano Colômbia, que envolve o combate ao tráfico de drogas e de armas, com apoio dos EUA frente à crise colombiana.

II – A guerra com a Argentina pela disputa da região das Malvinas e pela assinatura de tratados à não-proliferação de armas de destruição em massa.

III – As intervenções no Panamá e no Haiti, visando a defesa das instituições democráticas e a consolidação de regimes liberais.

IV – O combate à imigração ilegal pela fronteira com o México, bem como de outros países da América Central, vista como uma ameaça por desestabilizarem as relações bilaterais.

 

É correto apenas o que se afirma em:


II e IV.


I, III e IV.


I e IV.


II e III.


I, II e III.

O cenário internacional propiciou, principalmente após a Segunda Guerra Mundial, inúmeros exemplos de integração regional relativos a diferentes setores – econômico, político, social. A respeito das integrações entre os países americanos, considere as afirmativas a seguir:

 

I – As tentativas de implantação da ALCA (Área de Livre Comércio das Américas) demonstram iniciativas norte-americanas de manter e aprofundar sua ingerência militar e comercial na América Latina, além de promover a concentração de renda e de terras.

II – O projeto de integração latino-americana promovido pela OEA possuía o direito de intervenção nos países onde o governo favorecesse interferências norte-americanas na economia.

III – Em 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai se reuniram e firmaram o tratado do MERCOSUL (Mercado Comum do Sul), que previa sua implantação progressiva com a eliminação das barreiras alfandegárias entre os quatro países.

IV – A atual integração latino-americana enfrenta problemas, em virtude da hegemonia norte-americana com sua postura de endurecimento nas negociações da dívida externa.

 

É correto apenas o que se afirma em:


I, III e IV.


II e IV.


I, II e III.


III e IV.


I e II.

A integração regional na América Latina busca desenvolver a economia dos países, estimulando as relações políticas, culturais e fortalecer as democracias. Identifique, nas alternativas a seguir, aquela que relaciona corretamente o projeto de integração à suas características e finalidades:


OEA – criada com o objetivo de defender a industrialização da América Latina por meio da importação de produtos europeus e norte-americanos.


UNASUL – constituído pelos países sul-americanos, o objetivo do tratado é reforçar os laços entre as nações, visando a coordenação política, econômica e social da região.


ALCA – constituída por países americanos e africanos, promove a valorização de seus produtos, possibilitando a concorrência com a economia asiática.


MERCOSUL – reúne todos os países da América Latina e visa ampliar as trocas comerciais e a livre imigração entre os países membros.


CEPAL – formada pelos países da América do Norte e América Central, eliminou as barreiras tarifárias entre os seus membros. 

Em outubro de 2001, após os ataques terroristas ao World Trade Center e ao Pentágono, os líderes políticos dos Estados Unidos e da Inglaterra declararam guerra ao regime Talibã, no Afeganistão. Naquela ocasião, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e o líder muçulmano Osama Bin Laden, fizeram declarações sobre os atentados. Leia com atenção os trechos a seguir:


George Bush: Um comandante-chefe envia os filhos e filhas dos Estados Unidos à batalha em território estrangeiro somente depois de tomar o maior cuidado e depois de rezar muito. Pedimos-lhes que estejam preparados para o sacrifício das próprias vidas. A partir de 11 de setembro, uma geração inteira de jovens americanos teve uma nova percepção do valor da liberdade, do seu preço, do seu dever e do seu sacrifício. Que Deus continue a abençoar os Estados Unidos.

Osama Bin Laden: Deus abençoou um grupo de vanguarda de muçulmanos, a linha de frente do Islã, para destruir os Estados Unidos. Um milhão de crianças foram mortas no Iraque, e para eles isso não é uma questão clara. Mas quando pouco mais de dez foram mortos em Nairóbi e Dar-es-Salaam, o Afeganistão e o Iraque foram bombardeados e a hipocrisia ficou atrás da cabeça dos infiéis internacionais. Digo a eles que esses acontecimentos dividiram o mundo em dois campos, o campo dos fiéis e o campo dos infiéis. Que Deus nos proteja deles.
(Adaptados de "O Estado de S. Paulo". 8/10/2001)

Com base nas duas declarações acima, pode-se afirmar que:


ambos tentam separar a noção de justiça das justificativas de ordem religiosa, fundamentando-a numa estratégia militar.


a justificativa das ações militares encontra sentido apenas nos argumentos de Osama Bin Laden.


a justificativa das ações militares encontra sentido apenas nos argumentos de George W. Bush.


ambos apoiam-se num discurso de fundo religioso para justificar o sacrifício e reivindicar a justiça.


ambos tentam associar a noção de justiça a valores de ordem política, dissociando-a de princípios religiosos.

Leia com atenção:

 

A busca de uma identidade própria, fundamentada em novas bases coincidiu com o surgimento desse movimento cultural. Intérpretes e compositores que se dedicaram a recuperar a música folclórica, agregando fatores próprios da música continental, incorporando instrumentos e ritmos de todos os países. Esse movimento apresentou-se, em geral, como uma alternativa frente à música estrangeira, de origens norte-americana e europeia, e pretendeu estabelecer uma ponte entre o passado - de uma cultura musical tradicional elitista - e o presente - como uma expressão musical que traduzia os desejos do povo. A busca de raízes implicou num processo de releitura da produção musical da época, orientada por essa valorização da cultura popular e das tradições. (BORGES, Ana Cristina. América Latina: um mosaico de sons, cores e sabores. Uniube, 2011, p. 304).

 

As manifestações musicais tiveram significativa importância na América Latina na segunda metade do século XX. Como exemplos do movimento cultural descrito no fragmento podemos citar: 


Nova Canção Chilena, Música Popular Brasileira e Tango Argentino.


Tango Argentino, Samba Brasileiro e Salsa Cubana.


Novo Cancioneiro Argentino, Nova Canção Chilena e Nova Trova Cubana.


Tropicalismo Brasileiro, Novo Cancioneiro Argentino e Mariachi Mexicano.


Nova Canção Latina, Bossa Nova no Brasil e Corrido Revolucionário Mexicano.

A respeito do termo “cultura”, podemos considerar que:


I – A cultura popular pode ser definida como todas as práticas e representações culturais vivenciadas no cotidiano de atores sociais específicos como forma de recriação do seu universo: crenças, hábitos, costumes, conhecimento.
II – O estudo de quase tudo que possa identificar uma sociedade, diferenciando-a de uma outra – como vive, festeja, sofre, trabalha – tem sido uma preocupação da História Cultural.
III – É preciso que se pense a cultura no plural e no presente, como uma forma de representação viva e dinâmica das classes populares.

As afirmativas corretas estão contidas em:


I, apenas.


II e III, apenas.


I, II e III.


III, apenas.


I e II, apenas.

Leia com atenção os fragmentos a seguir:

 

“Temos que aprender a olhar de frente a realidade. Inventar, se for preciso, palavras novas e idéias novas para estas novas e estranhas realidades que atravessa o nosso caminho. (...) Se arrancarmos estas máscaras, se nos abrirmos se, enfim, nos enfrentarmos, começaremos a viver e pensar de verdade”. (Octavio Paz, O Labirinto da Solidão, 1950)

 

“Agora, é quando a América necessita de uma cultura própria, agora é quando tem que resolver seus problemas de outra forma bem distinta da forma como até hoje se havia resolvido. Esta outra forma não pode ser a da imitação, senão da criação pessoal, própria”. (Leopoldo Zea, América como Consciência, 1972)

  

A análise das idéias dos dois pensadores mexicanos nos permite concluir que:


a identidade nacional mexicana é reconhecida por Octavio Paz como uma cultura inferior, por isso necessita de máscaras.


ambas expressam visões distintas diante da ideia de identidade latino-americana.


Octavio Paz refere-se apenas ao México, enquanto Leopoldo Zea exclui os mexicanos de sua análise.


ambas têm como tema a reflexão em torno da identidade latino-americana.


ambas expressam atitudes preconceituosas em relação ao povo norte-americano.

A política externa norte-americana no contexto da Guerra Fria foi alvo de críticas por parte de diversos movimentos associados a manifestações culturais variadas. Na década de 1960, especialmente devido à intervenção norte-americana na Guerra do Vietnã, um movimento artístico-musical passou a contestar o chamado "modo de vida americano". Esse movimento foi encabeçado:


pelos festivais de música popular americana, que buscavam valorizar a cultura popular em oposição ao consumismo.


pelas manifestações pacíficas dos hippies, que revolucionaram os padrões culturais a partir do festival de Woodstock.


pela luta revolucionária dos Panteras Negras, que popularizaram os festivais de jazz no país.


pela criação dos festivais de jazz e blues, que buscavam maior reconhecimento da cultura negra.


pela radicalização do movimento hippie, que reforçou o consumismo da indústria cultural norte-americana.

Além da agitação política, a década de 1960 também ficou conhecida pelo surgimento de uma revolução sociocultural, que despertou um profundo sentimento de indignação naqueles que conseguiam perceber as contradições do sistema capitalista norte-americano. Criticando as autoridades e os valores da classe média, muitos jovens adotaram estilos alternativos de vida. 

Considerando esse contexto, pode-se afirmar que esse movimento de contracultura reivindicava, principalmente: 


rejeição aos valores socialistas; apoio à Guerra do Vietnã; liberdade cultural em prol do movimento negro; valorização do nacionalismo.


liberdade de expressão; expansão do modo de vida americano; a discriminação formal contra negros; e o apoio ao esforço de guerra americano.


maior liberdade na vida cotidiana; punição aos comunistas e socialistas; retirada das tropas soviéticas do Vietnã; apoio político ao movimento hippie.


luta por direitos políticos; liberdade de expressão; igualdade entre as raças, entre homens e mulheres; e a liberdade sexual.


fim da Guerra Fria; nacionalização dos festivais de rock; apoio ao militarismo norte-americano; e reconhecimento dos direitos femininos.

Desde o final da Segunda Guerra Mundial até o início dos anos 1970, os Estados Unidos passaram por um período de grande desenvolvimento econômico, acompanhado de importantes mudanças de comportamentos e valores sociais. A respeito desse contexto, analise as afirmativas a seguir:


I - A partir do final da Segunda Guerra, a economia dos EUA passou a ser controlada pelas grandes corporações, que moldaram a política nos anos 50 e passaram a garantir melhores salários para os trabalhadores em troca do controle conservador da economia e sociedade.

II - Os norte-americanos tornaram-se grandes credores das nações capitalistas. Conglomerados transnacionais americanos tornaram-se grandes investidores, tanto na Europa e no Japão quanto na América Latina, Ásia e África.

III - Forjada em 1947, no início da Guerra Fria, as relações dos Estados Unidos com o restante do mundo foram determinadas pela Doutrina Truman, que propunha a política de “contenção” ao comunismo, então ideologia oficial da União Soviética.

IV - O Plano Marshall, além da ajuda externa para reconstrução da Europa, se constituiu em uma manobra estratégica fundamental no interior da Guerra Fria visando estabelecer a “coexistência pacífica” entre os Estados Unidos e os países do Leste Europeu, através da política de investimentos no bloco soviético.


As afirmativas corretas estão contidas em:


II, III e IV, apenas.


I e IV, apenas.


II e III, apenas.


I, II, III e IV.


I, II e III, apenas.

Páginas: 12