O PROJETO COLONIZADOR NO BRASIL


Não é possível pensar, criticamente, o desenvolvimento social do Brasil durante o período colonial, sem ponderar os aspectos que fundamentam a economia açucareira. Assim, sobre a renda das exportações de açúcar praticadas, é possível afirmar que: 


Só ocasionalmente ocupou lugar de destaque nos balanços de exportação, pelo menos até a transferência da Corte para o Brasil. 
Nunca destacou-se a ponto de estar na primeira posição, sendo reconhecido, nacionalmente, como um produto de importância apenas relativa.
Sempre estabeleceu-se dentro de uma posição de relevo, durante dois decênios, equilibrando-se ao lado da borracha, do mate e dos derivados da pecuária. 
Mantinha certo status como exportação de importância mediana, pareando-se com o fumo, segundo os registros comerciais. 
Antes da exploração aurífera, ocupou o primeiro lugar na economia colonial, se mantendo como o produto mais importante. 

Muito embora a pecuária do período colonial tenha desempenhado relevante papel na ocupação de determinadas áreas do território brasileiro, ela nunca deixou de conservar sua vocação como atividade econômica complementar (dentro do panorama especializado em agro-exportação), disso decorrendo:


o controle estatal da Coroa portuguesa sobre a pecuária, por força do monopólio régio sobre o sal e a carne.
sua completa subordinação ao modelo mercantil europeu, que proibia o desenvolvimento de uma economia interna.
recorrentes crises de fornecimento dos alimentos, cuja produção era preterida pelas culturas de exportação.
sua equivalência em relação à produção agrícola na ocupação efetiva dos territórios interioranos.
o fornecimento de mercadorias para a produção canavieira e, mais tarde, mineradora, o que favorecia a geração de um superávit na balança comercial portuguesa.

Considerando as especificidades do processo histórico conhecido como A Inconfidência Mineira é correto afirmar que (Marque Va para as verdadeiras e F para as falsas):

(  ) Contou com uma intensa participação de homens livres não-proprietários e até mesmo de muitos escravos negros.

(  ) Os sacerdotes da Igreja, em Minas Gerais, pouco ou nada colaboraram com a conspiração, que tinha uma forte conotação anti-eclesiástica;

(  ) O abolicionismo foi, com certeza, o mais importante ideal da Inconfidência Mineira;

(  ) Entre os fatores que influenciaram os “inconfidentes” estava o Iluminismo, sobretudo na sua forma mais burguesa;

Agora, assinale a alternativa contendo a sequência correta:


V; V; V; F
F; F; F; V
F; F; F; F
V; V; V; V
F; V; F; V

Expressão corrente nos livros didáticos, até recentemente, para exprimir um sentimento de amor à terra e de criação de uma identidade entre os habitantes da América Portuguesa, a partir de meados do século XVII, de cuja consolidação resultaria a Independência do Brasil.

(VAINFAS, Ronaldo (dir.). Dicionário do Brasil Colonial. (1500-1808). Rio de Janeiro: Objetiva, 2001)

 

O texto de Vainfas (2001) traz os elementos conceituais que caracterizam:


os movimentos indigenistas.
as revoltas abolicionistas.
os movimentos nativistas.
os movimentos restauracionistas.
os movimentos emancipacionistas.
Leia o trecho seguinte: A transferência da sede da monarquia, mais do que a mudança de residência da realeza, significava a reorganização do Estado Português no Brasil, e por isso, na interpretação corrente sobre o processo de Independência, os treze anos de permanência da Corte no Rio de Janeiro vem sendo apresentados como o momento preparatório da separação de Portugal. (OLIVEIRA, Cecília H. de Salles. A Independência e a construção do Império. São Paulo: Atual, 2005.) Sobre a pecuária durante o Período Colonial, é correto afirmar que: Encontre as afirmativas verdadeiras. I. A pecuária bovina desenvolvida na região Sul do Brasil, durante o séc. XVII, não teve qualquer relação com o surto minerador das Minas Gerais. II. A expansão do território brasileiro só foi possível graças à atividade pecuária desenvolvida durante o séc. XVII. III. Feira de Santana, na Bahia, e Sorocaba, em São Paulo, são exemplos de cidades que se tornaram importantes centros de comercialização de gado. IV. O charque tornou-se grande fonte de renda no Rio Grande do Sul. Agora, assinale a sequência correspondente:

I; III e IV apenas.
II; III e IV apenas.
IV apenas.
Todas estão corretas.
I; II e IV apenas.
Leia com atenção: A instalação no Rio de Janeiro de antigos órgãos administrativos existentes em Lisboa – como a Mesa da Consciência e Ordem e a criação de alguns novos – como o Banco do Brasil, o Real Horto, as academias de Medicina e Militar – garantiram ocupação de funcionários. O primeiro estabelecimento de ensino superior do Brasil foi instalado em 1808 na Bahia: a Escola Médico Cirúrgica e posteriormente outros cursos foram instalados no Rio de Janeiro. (REZENDE, Eliane Mendonça Marquez de. [et. al.] A colonização europeia nas Américas. Uberaba: Universidade de Uberaba, 2011.) Alguns grupos foram, diretamente beneficiados pelas transformações advindas da permanência da Corte no Brasil. Dentre os tais beneficiados, destacamos:

Franceses que pediram asilo político.
os funcionários e os comerciantes reinóis.
Escravos e mestiços pobres.
Militares das tropas coloniais.
Traficantes portugueses de escravos.
Podemos destacar como elementos que levaram à ampliação das atividades econômicas periféricas do Brasil Colônia: a pecuária, o tabaco, as drogas do sertão. A que se deve o avanço dessas atividades, internamente? Assinale a alternativa correta:

todas as alternativas anteriores estão corretas.
a destinação destas atividades que foram forjadas, primeiramente, para serem complementação da atividade açucareira e, posteriormente, como núcleos abastecedores da atividade mineradora e seus desdobramentos.
a substituição da mão de obra escrava pela mão de obra livre na região das minas, criando, assim, um mercado consumidor de grande porte.
a paralisia econômica do Centro-Oeste ocasionada pelo renascimento agrícola no Nordeste durante o século XVII.
o desenvolvimento de um mercado interno favorecido, sobretudo, pelo descobrimento das minas de ouro no final do século XVI e o desenvolvimento de uma indústria local.
Não podemos pensar o projeto colonial que se empreendeu no Brasil sem considerar o panorama histórico em que esse processo se desenvolveu. Por isso, o estudo sobre as perspectivas políticas e econômicas da monarquia portuguesa são de suma importância. Assim, o fomento à produção açucareira no Brasil Colônia está associada aos princípios da colonização lusitana, cujo projeto estava baseado na:

Amplo latifúndio escravista, para atender aos interesses da Coroa Portuguesa [que consistia em favorecer a produção de açúcar em larga escala].
proposta de produção, que tinha por fim último a urbanização e a criação de espaço mais amplo para os homens livres da colônia. 
drástica tributação sobre o trabalho livre, com o objetivo de isentar de tributos o trabalho escravo. 
diminuto empreendimento que intentava viabilizar a produção açucareira apenas para o mercado interno. 
foco administrativo na mobilidade mercantil interna, reverberada pelo aperfeiçoamento de atividades artesanais, industriais e comerciais. 
Com o propósito de ampliar a “conquista” empreendida por Vasco da Gama [a descoberta do Caminho das Índias], em março/abril do ano 1500 foram enviadas 13 naus e 1500 homens, sendo seu comandante o fidalgo Pedro Álvares Cabral. Aproximadamente um mês depois de partirem de Lisboa, foram avistadas as terras do nordeste brasileiro. Esse evento, contudo, que foi para nos compêndios de História do Brasil com a denominação Descobrimento do Brasil, têm fomentado amplas discussões em ambiente acadêmico. Afinal, o Brasil foi, de fato, “descoberto”? Qual o real valor conceitual do termo “Descobrimento? Respondendo os questionamentos anteriores, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas: (  ) Não houve um descobrimento, porque Cabral e seus homens, com a bandeira de Portugal, a cruz da Ordem de Cristo e seus mercadores, chegaram a uma terra nova, um mundo que era desconhecido para eles, portugueses, e só para eles (europeus) estavam descobrindo algo novo. (  ) O Brasil foi descoberto pelos portugueses, considerando o caráter civilizador e civilizatório da ocupação lusitana. Os nativos que viviam nas terras, posteriormente, chamadas de Brasil, eram povos ágrafos e, portanto, não poderiam ser reconhecidos como uma civilização. (  ) Descobrir só têm sentido do ponto de vista de quem não sabe, não conhece ou nunca viu – descobre quem está fora, do exterior. As terras, as gentes nativas lá estavam, independentes da ciência, ou da ignorância dos europeus. (  ) Foi uma descoberta porque o advento de uma civilização está, intimamente, relacionado à organização de cidades e instituições. E a cultura indígena não tinha desenvolvido esses valores. Portanto, só temos um marco civilizatório com a chegada dos europeus. Agora, assinale a alternativa contendo a sequência correta:

F; F; F; F 
V; F; V; F  
F; F; V; V
V; F; F; V
V; V; F; F
Tendo como referência as interpretações historiográficas clássicas sobre a atividade pecuária no processo de colonização no Brasil é correto afirmar que:   Assinale V para verdadeiro e F para falso. (  ) Contribuiu significativamente para o povoamento da costa brasileira a partir da criação de núcleos urbanos destinado ao comércio do couro. (  ) Constituiu-se numa atividade subsidiária da grande lavoura. (  ) Destinou a maior parte da produção de charque para o abastecimento do mercado interno. (  ) Foi um dos elementos importantes no processo de interiorização e povoamento do território colonial. (  ) Produziu a figura do vaqueiro, um trabalhador livre geralmente pago exclusivamente em espécie.   Agora, assinale a sequência correspondente:

F; V; V; F; F
V; F; V; V; F
F; V; V; V; F
V; V; V; V; V
F; V; V; V; V
Páginas: 12345