ENADE - FORMAÇÃO GERAL


Leia a questão a seguir:

 

O desenvolvimento organizacional emerge na década de 60 em decorrência da necessidade de muitas organizações fazerem frente às mudanças ambientais, cada vez mais heterogêneas. A partir das demandas que surgiam incessantemente, estudiosos como Richard Beckhard, arren Bennis, Edgar Schein, entre outros, desenvolveram teorias, técnicas, métodos com o propósito de ajudar as organizações a passarem pelos desafios emergentes do mundo contemporâneo e a encontrarem o equilíbrio.

 

A partir dessas afirmações avalie as asserções a seguir e a relação proposta entre elas.

 

I. As propostas de mudanças na esfera pública na contemporaneidade devem privilegiar a lógica da prestação de serviços, e não a lógica burocrática, em vista de que a organização pública existe para prestar serviços à sociedade.

 

POR ISSO

 

II. O Desenvolvimento Organizacional surge como uma resposta da organização às mudanças, abrangendo o sistema global da organização e a modificação planejada, com o propósito de aumentar a eficiência e eficácia.

 

A respeito dessas asserções, a resposta assinalada como correta foi:

As asserções I e II são proposições verdadeiras, e a II é uma justificativa correta da I.

 

Marque abaixo a que tipo de questão objetiva refere-se o exemplo acima.


associação.
asserção e razão.
lacuna.
resposta múltipla.
foco negativo.

Conforme o próprio nome indica, questões objetivas de múltipla-escolha são aquelas que já trazem enunciadas as possibilidades de resposta entre as quais o aluno escolhe a única que responde corretamente ao problema proposto. Deve-se entender que uma questão objetiva não diz respeito somente ao tipo de resposta que solicita. É objetiva pelo enunciado direto, limpo e o mais claro e preciso. É objetiva pela organização, pela forma como o problema é contextualizado e apresentado para a análise do aluno.

 

Sobre este tipo de questão, analise as informações a seguir:

 

I. Questões objetivas de múltipla escolha, geralmente, são utilizadas para a avaliação de conhecimentos nos níveis conceituais e factuais.

II. Habilidades complexas como análise crítica, produção de idéias, planejamento de estratégias, avaliação de situações e procedimentos para tomar decisões não podem ser avaliadas por questões de múltipla escolha, pois sua elaboração é menos complexa.

III. A escolha do tipo de questão a ser formulada depende da natureza do conteúdo, da complexidade da habilidade e do nível de competência que serão avaliados.

 

Marque a alternativa correta.


Apenas a informação III está correta.
Apenas as informações II e III estão corretas.
Apenas as informações I e III estão corretas.
Apenas as informações I e II estão corretas.
Todas as informações estão corretas.

Veja a questão abaixo presente no ENADE (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes) do ano de 2015. Você perceberá que se trata de um tema geral que demanda conhecimento de mundo e preparação acadêmica.


Leia os textos abaixo para responder à questão proposta.

 

Texto I

Texto II

 

As taxas de emprego para mulheres são afetadas diretamente por ciclos econômicos e por políticas de governo que contemplam a inclusão das mulheres no mercado de trabalho. O gráfico a seguir apresenta variações das taxas percentuais de emprego para mulheres em alguns países, no período de 2000 a 2011.

 

Com base neste gráfico, conclui-se que, de 2000 a 2011, a taxa de emprego para mulheres:

manteve-se constante na Itália. manteve-se crescente na França e no Japão. atingiu, na Grã-Bretanha, seu valor máximo em 2011. aumentou mais na Alemanha que nos demais países pesquisados. manteve-se superior a 60% no Canadá, na Alemanha e nos Estados Unidos.

 

Com base na videoaula “Orientações sobre como responder questões objetivas”, assinale a alternativa correta.


A questão acima trata-se de uma opção discursiva pois o aluno deve explicar e solucionar problemas apresentados aplicando o que aprendeu em situações novas.
A questão acima trata-se de um tipo de atividade denominada asserção-razão constituída de duas proposições ligadas pela palavra PORQUE, em que a segunda é razão ou justificativa da primeira.
A questão acima possui um texto base e alternativas mas não contém enunciado. Sendo   assim o aluno não precisa relacionar o texto com o gráfico.
A questão acima possui os três elementos presentes nas questões padrão ENADE, quais sejam: TEXTO BASE, composto de um parágrafo e um gráfico, ENUNCIADO e ALTERNATIVAS.
A questão acima não apresenta texto base e sim um gráfico que retrata a taxa de emprego entre as mulheres.

A leitura de um texto exige do leitor identificações como: quem é o autor do texto, por que o produziu, para quem, qual foi o plano da produção, quais argumentos utilizou para convencer o leitor. Leia o texto a seguir e responda à questão:

 

A Fundação Abrinq divulgou uma carta aberta aos senadores da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJC) a favor da garantia dos direitos das crianças e adolescentes  e com um parecer desfavorável à PEC que prevê a redução da maioridade penal.

 

Leia a carta na íntegra:

 

[...]

A adolescência é uma fase da vida de grande oportunidade para aprendizagem, socialização e desenvolvimento. Atos infracionais cometidos por adolescentes, por sua vez, são ou, pelo menos, deveriam ser vistos apenas como circunstâncias de vida que podem ser transformadas e não como algo inerente ao gene ou identidade da pessoa.

No Brasil, temos uma população de adolescentes de 20.666.575 e 18107 estão restritos e privados de liberdade. Ou seja, temos uma proporção de 8.8 para cada 10 mil adolescentes, segundo Levantamento Nacional do Atendimento Socioeducativo ao Adolescente em Conflito com a Lei de 2010. [...]

O sentimento de insegurança que acomete a população brasileira em razão da violência faz com que se busque uma solução imediata e daí surge a ideia de que enclausurar é a melhor solução. [...]

As tentativas de se reduzir a maioridade penal partem do pressuposto de que o adolescente moderno já possui bastante maturidade para compreender os próprios atos. Todavia, não se pode negar sua condição de pessoa em formação e, em decorrência disso, não devemos desistir de sua ressocialização.

Por isso, não podemos nos agarrar a soluções simplistas, posto que problemas complexos necessitam de soluções sistemáticas e, dessa forma, há que se implementar políticas voltadas à criança e ao adolescente. [...]

Estamos de acordo com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e a Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente, no que se refere à natureza do trabalho socioeducativo, isto é, uma natureza transversal, intersetorial, complexa e especializada, que envolve diversos poderes, efetivando-se nas três esferas de governo.

 

Disponível em: https://portal.aprendiz.uol.com.br/arquivo/2012/12/05/fundacao-abrinq-publica-carta-aberta-contra-a-reducao-da-maioridade-penal/. Acesso em 05 de fevereiro de 2020.

 

O principal argumento do texto para que não se reduza a maioridade penal no Brasil é o de que:


A maioridade penal no Brasil é tratada como um problema complexo sem soluções sistemáticas.
As tentativas de se reduzir a maioridade penal partem do pressuposto de que o adolescente já possui bastante maturidade para compreender os próprios atos.
No Brasil, há 8,8 adolescentes restritos e privados de liberdade em cada 10 mil adolescentes, segundo levantamento Nacional do Atendimento Socioeducativo ao Adolescente em Conflito com a Lei.
A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República  e a Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente estão corretas ao considerar a inclusão social como dever do governo e de toda a sociedade.
Crianças e adolescentes infratores estão em fase de desenvolvimento; por isso, melhor do que preendê-los é ressociá-los.

O trecho a seguir trata-se de um artigo de opinião, publicado normalmente em jornais, revistas e blogs, esse tipo de texto tem como função apresentar e defender um ponto de vista sobre algum assunto relevante para a sociedade. Nele, o autor discorre sobre a questão do racismo e afirma que no Brasil, o racista é sempre o outro.

 

Pesquisas apontam que 97% dos entrevistados afirmam não ter qualquer preconceito de cor

 

Que o Brasil é um país racista não necessitamos de muito esforço para comprová-lo: basta olharmos à nossa volta para constatar a ausência quase completa de negros inseridos no âmbito da classe média. Embora representem, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), metade do total da população, dificilmente nos deparamos com médicos, engenheiros, professores, advogados, jornalistas, escritores, oficiais militares ou políticos negros. A renda média mensal dos negros, mesmo registrando um significativo crescimento ao longo das últimas décadas, ainda equivale a apenas 57,4% da dos brancos.

Mas, antes de tudo, os brasileiros somos hipócritas. Aqui, o racista é sempre o outro. Pesquisas apontam que 97% dos entrevistados afirmam não ter qualquer preconceito de cor, ao mesmo tempo em que admitem conhecer, na mesma proporção, alguém próximo (parente, namorado, amigo, colega de trabalho) que demonstra atitudes discriminatórias. É o chamado “racismo à brasileira” – fruto dileto da cínica e equívoca “democracia racial”, conceito que vem justificando, ao longo da história, a manutenção de um dissimulado apartheid, que segrega a população não-branca à base da pirâmide social. [...]

 

Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2014/09/16/opinion/1410894019_400615.html. Acessado em 03-04-20.

 

No primeiro parágrafo desse artigo de opinião, o autor faz uma constatação sobre o racismo no Brasil baseada:


no descaso político em combater a desigualdade socio-econômica.
na resistência declarada da classe média em relação a negros.
no contraste entre dados demográficos e indicadores socioeconômicos.
no alto índice de demprego entre negros no Brasil.
na dificuldade de acesso da população negra a serviços públicos.

Para sermos bons leitores, precisamos ser capazes de ler todos os tipos de textos, incluindo gráfico. Ler um gráfico equivale a saber extrair dele as informações necessárias para aplicá-las em outras operações. O exemplo a seguir trata-se de um gráfico de linha e pode ser utilizado para demonstrar a evolução das variações, positivas e negativas, no interior de um processo de mudanças, da produtividade de uma empresa, de índice de vendas, de aproveitamento escolar, etc. Leia o gráfico de linha a seguir: