CIDADANIA, HETEROGENEIDADE E DIVERSIDADE


Leia com atenção:

 

Sabe-se que a cidadania para ser plena não pode ser passiva, tem que ser ativa, é um processo ativo. Não se limita ao voto, este é apenas uma dimensão do cidadão, a dimensão civil. Ela relaciona-se diretamente com a participação dos indivíduos na esfera pública e com o exercício dos direitos. É o direito a ter direitos e poder exercitá-los. A cidadania deve contemplar a universalidade dos direitos e não direitos restritos, focalizados, que criam diferenças entre as pessoas. Não existe o cidadão de segunda categoria, pois este seria o não cidadão, ou um cidadão menor. (GOHN, Maria da Glória. Desafios dos movimentos sociais hoje no Brasil. SER social, Brasília, v.15, n. 33, jul. / dez. 2013, p. 302)

 

A ação dos movimentos sociais não se dissocia das questões relativas às políticas públicas e as práticas de Cidadania. Sendo assim, a ideia de uma “cidadania ativa” diz respeito:

 


à criação das chamadas Organizações Não Governamentais (ONGs).


ao uso da liberdade visando o desempenho do indivíduo como pessoa privada.


à formação de cidadãos protagonistas, conscientes de seus direitos e deveres.


ao exercício do voto, como ação obrigatória de uma cidadania legítima.


às críticas direcionadas à políticos, amplamente realizadas em redes sociais.

Leia com atenção:

 

As ONGs, os movimentos sociais, as comissões, grupos e entidades de Direitos Humanos, grupos de defesa dos direitos dos excluídos, por diferentes causas como: gênero, raça, etnia, religião, portadores de necessidades físicas especiais, inúmeras associações com perfis variados, entidades do chamado Terceiro Setor, fóruns locais, regionais, nacionais e internacionais etc. Entidades ambientalistas, de defesa do patrimônio histórico, redes comunitárias nos bairros, conselhos populares, conselhos setorizados, conselhos gestores institucionalizados. (GOHN, Maria da Glória. Desafios dos movimentos sociais hoje no Brasil. SER social, Brasília, v.15, n. 33, jul. / dez. 2013, p. 304-305)

 

No entendimento dos problemas sociais, políticos e culturais é preciso considerar uma gama de atores e grupos diversificados, os quais compõem, segundo a autora, o que denominamos de:

 


Organizações Não Governamentais
Cidadão passivos
Assembleias municipais
Partidos Políticos
Sociedade civil

A Lei n° 8.069/1990 dispõe acerca do Estatuto da Criança e do Adolescente e quanto aos mecanismos de proteção integral à criança e ao adolescente. Para efeito de proteção dessa lei, considera-se adolescente a pessoa entre:

 


12 e 17 anos de idade.


10 e 18 anos de idade.


11 e 18 anos de idade.


12 e 15 anos de idade.


12 e 18 anos de idade.

Na construção da identidade, o indivíduo se depara com o normal, ou seja, o conceito de “normalidade”. Marque a alternativa que explica corretamente o conceito de “normose” segundo os autores do livro Sociologia da Acessibilidade.

 


Um conjunto de normas, conceitos, valores, estereótipos, atos de pensar e agir, que são aprovados por consenso ou pela maioria em uma determinada sociedade e que provocam sofrimento, doença e morte.


Um desvio da orientação comportamental instituída pelos estatutos e deveres estabelecidos socialmente.


Assumir uma condição e uma posição diante das estruturas e instituições sociais que levem o indivíduo a conflitos e desarmonia.


A relação com os outros dá início ao que se denomina “social” e no momento em que o “social” nasce surgem relações ocasionando vários conflitos.


A atitude do sujeito que assume identidades diferentes em diferentes momentos, identidades contraditórias que não são unificadas ao redor do Eu.

Em 1972, foi realizada a Conferência das Nações Unidas sobre o Homem e o Meio Ambiente, em Estocolmo, na Suécia. Representantes de vários países reuniram-se para debater questões relativas ao meio ambiente. Este encontro é considerado como a primeira mobilização em torno desse tema. Depois de Estocolmo, muitas foram as preocupações ambientais e anos depois, no Rio de Janeiro (2012), na Rio +20 discutiu-se temas para o futuro e produziu uma declaração intitulada “O Futuro que queremos”, com ênfase no desenvolvimento sustentável.  

 

Considerando o texto acima e os fundamentos do desenvolvimento sustentável é possível afirmar:

 

I - A definição correta de desenvolvimento sustentável é aquele que satisfaz as necessidades presentes sem comprometer a capacidade das gerações futuras de suprir suas próprias necessidades.

II - O Relatório Brundtland, de 1987, assinalou pela primeira vez a ideia de desenvolvimento sustentável. Esse documento foi elaborado após alguns anos de discussões entre líderes do governo, chefes de Estados e a sociedade civil. 

III - O modelo econômico proposto de desenvolvimento sustentável, preconiza que o meio ambiente deve ser intocável e às necessidades do presente devem ser satisfeitas sem a preocupação com as necessidades futuras.

 

É correto apenas o que se afirma em:

 


III.


II.


I e II.


I.


II e III.

O Estado deve assumir o enfrentamento de um grave problema social brasileiro que é a violência contra a mulher. Essa mobilização pública pode se dar em sistema de parceria com organizações privadas. Esse compromisso das instituições tem por objetivo:

 


impedir que a justiça tome as dores da mulher em prejuízo dos direitos dos homens.


somente promover a aproximação entre as vítimas e a força policial.


dar combate a toda forma de aproximação entre os gêneros, reforçando as diferenças.


garantir que haja uma mudança nas mentalidades para que a mulher seja tratada como cidadã.


saber distinguir o que é direitos conquistados pelos homens e que não se deve tirar deles.

Segundo o livro ‘A Produção do Espaço Urbano’ o desenvolvimento das cidades se dá gradualmente com a mudança, inclusive, dos arredores da cidade que serão denominados: subúrbio ou periferia, segundo o estágio de crescimento que proporciona:

 


A ocupação da área por trabalhadores da cidade, ao ocuparem loteamentos que proporcionam a mobilidade para o trabalho urbano pelos transportes públicos.


Os serviços públicos de segurança e saúde pública, a demarcar a presença do Estado a proporcionar à população condições de vida digna.


O saneamento básico, o transporte público, a escola pública, assim como os serviços de saúde e segurança pública, a descaracterizar a região suburbana enquanto área rural e integra-la à região urbana.


As palavras periferia e subúrbio são sinônimos para designar as regiões periféricas de qualquer cidade.


O saneamento básico, o transporte público e a escola pública, a proporcionar condições de qualidade de vida sintonizada com a cidadania democrática.

Leia com atenção:


O trato com pessoas idosas nem sempre é fácil e a preguiça de tentar compreender seus valores, ansiedade e história de vida, muitas vezes belíssima, pode levar as pessoas a rotularem seus comportamentos como coisa de velho ou caduquice,  desconsiderando seu valor individual. (LEME, Luiz Eugênio Garcez. “Quem gosta de velho é reumatismo!”. In: PINSKY, Jaime (org.). 12 faces do preconceito. São Paulo: Contexto, 2011, p.22).


O preconceito contra os idosos se manifesta de forma bastante comum em nossa sociedade. Algumas concepções sobre o envelhecimento influenciam tal postura, dentre as quais destacamos:


I. A sociedade brasileira atribui uma ideia positiva à velhice, tendo em vista o crescimento da taxa de envelhecimento no país.
II. A velhice ainda é despolitizada, assim é necessário que se busque caminhos para assegurar os direitos e conquistar um novo lugar e significado na sociedade.
III. A sociedade capitalista necessita da produtividade e o idoso é, por vezes, visto como um ser improdutivo, inativo.


É CORRETO o que se afirma em:

 


I, apenas.


III, apenas.


I, II e III.


II e III, apenas.


I e III, apenas.

Leia com atenção a citação:


O trato com pessoas idosas nem sempre é fácil e a preguiça de tentar compreender seus valores, ansiedade e história de vida, muitas vezes belíssima, pode levar as pessoas a rotularem seus comportamentos como coisa de velho ou caduquice, desconsiderando seu valor individual. (LEME, Luiz Eugênio Garcez. Quem gosta de velho é reumatismo! In: PINSKY, Jaime (org.). 12 faces do preconceito. São Paulo: Contexto, 2011, p.22).


O preconceito contra os idosos se manifesta de forma bastante comum no cotidiano em virtude da ideia negativa atribuída à velhice em nossa sociedade. O trecho destacado evidencia uma dessas visões preconceituosas, qual seja:

 


A incapacidade dos jovens em se tornar idosos mais saudáveis.


A ideia de que a velhice é a melhor idade.


A ideia de que a velhice representa a incapacidade do ser humano.


A associação da vitalidade como condição principal da velhice.


A falta de políticas públicas que assegurem uma aposentadoria digna.

Em ‘Saneamento, Saúde e Ambiente’, o surgimento de ilhas de calor nas cidades se deve:

 


Importação de energia para suprir as necessidades urbanas e a baixa incidência de vegetação.


A multiplicação de centros urbanos.


A impermeabilização excessiva.


O aumento da incidência de veículos automotores.


A edificação de prédios nas várzeas e vias de escoamento de água.

Páginas: 12345678910
1112