SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS I


A ensilagem é o processo de conservação de forragens para alimentação de ruminantes mais utilizados pelos pecuaristas no Brasil. Considerando o processo de ensilagem, podemos afirmar qual dos itens relacionados não tem influência na compactação do material armazenado


tempo de colheita do material


trator de pneus usado para compactação da massa ensilada 


silo tipo trincheira para o armazenamento da silagem 


material colhido com 33% de teor de matéria seca


tamanho da partícula de 30 a 40 mm na fragmentação

A fase de recria inicia após o desmame e vai até a idade do parto, nesta fase os requerimentos do animal em crescimento estão constantemente mudando, especialmente as necessidades de mantença, pois o peso da novilha aumenta com a idade. Se o peso vivo e a movimentação do animal, aumentam com a idade, as necessidades de mantença devem ser ajustadas para peso e para a idade. Do início desta fase, 70 a 80 kg de peso vivo (considerando o peso ao nascer em 30 a 40 kg), até a puberdade, o monitoramento do ganho de peso é fundamental.

Para que tenhamos um animal com um bom desempenho qual deve ser o ganho médio diário esperado para a novilha


0,800 kg/dia


500 g/dia


0,600 kg/dia


1,500 kg/dia


1000 gramas/dia

A escolha adequada de reprodutores para monta natural e/ou inseminação artificial (IA) de fêmeas no rebanho é essencial para o sucesso do sistema de produção de leite, pois no mínimo espera-se manter os níveis de produção/produtividade já alcançados na propriedade. Deve-se definir o sêmen ou reprodutor a ser introduzido com base no nível de produção do rebanho, nas linhagens existentes e na disponibilidade de recursos financeiros, evitando-se perdas produtivas e econômicas. A relação touro/vaca está na dependência do material genético, ambiente, sanidade e outros fatores intrínsecos ao reprodutor. Porém, a principal análise que fazemos é a colaboração genética que o touro na monta natural ou IA terá no rebanho. Perguntamos: qual é a participação do touro no melhoramento genético de um rebanho?


50%
25%
75%
95%
0%

Entre os maiores problemas da indústria de carne bovina no Brasil e no mundo reside a falta de uniformidade em idade de abate dos animais, cobertura de gordura e marmorização da carne, fatores estes que possuem grande influência na maciez, frescor e palatabilidade do produto, ou seja, as características da carne. Desta maneira a variação da qualidade de carne bovina é devida à pouca padronização dos sistemas de produção, da genética do rebanho bovino, bem como na inabilidade em identificar as carcaças que produzem maior quantidade de carne com melhor qualidade. Quanto as afirmações sobre as características organolépticas da carne, afirmam,

I- Frescor: É a impressão que se tem de que o produto é fresco, saudável. Trata-se de uma percepção visual, que pode ser analisada através da umidade sobre a superfície da carne.

 II- Firmeza: É percebida ou avaliada, em termos de consistência do material. Assim, carnes refrigeradas ricas em gordura, principalmente intramuscular, e as ricas em colágeno, mesmo à temperatura ambiente, aparentam firmeza, solidez.

 III- Palatabilidade: A percepção que se tem do alimento preparado por um dos processos usuais de cozimento, escolhendo-se o mais adequado para cada corte comercial.

 IV- Suculência: Uma sensação de suculência é mantida pela quantidade de fibras musculares na carne que estimula a salivação e lubrifica o bolo mastigatório. A carne de animais jovens costuma ser mais suculenta por ter mais fibras musculares

 V- Odor e sabor: O odor e o sabor podem ser agrupados em um complexo denominado de saboroma. O saboroma da carne é reduzido com a idade do animal, sendo que em algumas espécies, a carne de machos não castrados apresenta sabor diferente e mais apreciável

 As afirmativas corretas estão citadas em:


II, III apenas
III, IV e V
I e II apenas
II, III e V
I, II e V

Um dos artrópodes mais danosos ao meio pecuário são os carrapatos Rhipicephalus (Boophilus) microplus. O seu controle é mais eficiente quando este é realizado através de endo e ectoparasitários nos bovinos ao invés deste controle nas pastagens. Pergunto: Porque este tipo de manejo é mais eficiente no controle da população deste parasita? 


porque eliminamos a fase reprodutiva dos carrapatos no corpo do bovino
porque elimina as fases de ovos, larvas, ninfas, adultos e teleóginas do carrapato no bovino
porque eliminamos todos os ovos postos pelas ninfas no bovino
porque a eliminação é definitiva no bovino
porque eliminamos as larvas que estão se engurgitando no bovino

A alimentação de uma bezerra jovem é muito complexa, pois este animal necessita de atenção redobrada, pois as necessidades para seu crescimento devem ser atendidas e problemas de ordem gastrintestinais pode ocorrer e o animal pode chegar até a óbito. Das afirmações citadas, assinale a que não é adequada na alimentação de bezerras.


Sob condições normais de alimentação é interessante o fornecimento de volumosos como fenos, silagens e capins frescos às bezerras antes das duas semanas de idade, pois estes volumosos são capazes de estimular a ruminação desta bezerra.
Ao nascer, a bezerra é um animal monogástrico (não ruminante) com o estômago apresentando características diferentes do animal ruminante adulto.
O sistema de aleitamento natural das bezerras deve ser adotado em propriedades cujo plantel é formado por rebanhos puros das raças zebuínas, ou rebanhos de vacas mestiças Europeu x Zebu, onde é comum as vacas “esconderem o leite”.
A melhor maneira de fornecermos o concentrado inicial para as bezerras é na forma peletizada, pois os animais se adaptam melhor na apreensão e esta ração produz menos poeira, que não prejudica as vias aéreas do animal.
Concentrados com grãos que sofreram tratamento térmico e/ou vapor, e aqueles na forma de pellets, aumentam a digestibilidade e estimulam seu consumo, mas usualmente são mais caros.

Da mesma forma que analisamos as características organolépticas da carne, devemos também observar as características físicas deste mesmo produto, pois a variação da qualidade de carne bovina é devida à pouca padronização dos sistemas de produção, da genética, do transporte, do abate e manipulação dos animais dos rebanhos bovinos, bem como na deficiência em detectar as carcaças de melhor quantidade de carne com as melhores qualidades. Quanto as afirmações sobre as características físicas da carne, afirmam:

I - Maciez:  a maciez está relacionada à idade do animal, ao colágeno e ao grau de acabamento que tem influência no processo de congelamento da carcaça, que com baixa deposição de gordura de cobertura pode causar o encurtamento da fibra muscular, favorecendo o endurecimento da carne pelo frio.

II- Cor: A cor da carne reflete a quantidade e o estado químico do seu principal pigmento, a mioglobina (Mb). Os bovinos terminados a pasto se exercitam menos e, geralmente, são abatidos mais novos; assim, por exercício e maturidade, sua carne tem menor concentração de Mb e, consequentemente, menor saturação da cor vermelha do que a dos confinados. A carne de touros também tem menor concentração de Mb, logo são mais claras quando comparada à de novilhos e novilhas

III- pH: No Brasil, os frigoríficos só exportam carne com pH < 5,8, avaliado diretamente no músculo L. dorsi, 24 horas post-mortem

IV- Colágeno: O colágeno responde por parte da dureza de um corte cárneo. No animal jovem, a proporção de colágeno é maior, e este é termo lábil, ou seja, sob calor transforma-se em gelatina, de forma que a carne torna-se tenra. Em animais adultos a proporção é menor, porém, com a idade ocorre à formação de ligações cruzadas nas moléculas de colágeno, o que confere uma termo estabilidade, ou seja, não se observa sua transformação em gelatina com o calor, o que torna a carne menos macia.

V- Gordura: A principal função da gordura de cobertura é a proteção contra o frio, evitando o "Cold Shortening" (encurtamento pelo frio), que provoca o encolhimento das fibras musculares, tornando rígidas as carnes mais superficiais

A alternativa que expressa as afirmativas corretas é:


II, III, IV e V
I, III, IV, V
I, II, IV e V
I, III, IV, apenas
II, IV, V, apenas

O abate humanitário é validado para todos os animais produtores de proteína animal para produtos cárneos de qualidade aos consumidores. Para tal manejo, há uma sequência das atividades que são necessários para produção de carnes de qualidade. Assinale a alternativa que representa a ordem cronológica da sequência correta do abate bovino

1-Sangria

2-Divisão de carcaça (Meia carcaça)

3-Esfola

4-Dessensibilização dos animais por dardo cativo;

5-Evisceração e inspeção


3, 5, 2, 1, 4
4, 3, 5, 2, 1
4, 5, 2, 1, 3
1, 2, 3, 4, 5
4, 1, 3, 5, 2

Em eventuais situações a ingestão em doses elevadas de ureia pode acarretar ao animal um excesso de nitrogênio não proteico, acarretando assim a intoxicação.  Esta intoxicação acarreta uma elevação do pH do rúmen (alcalose ruminal) acarretando inquietação, surdez, tremores na pele, salivação excessiva, micção e defecação constante, respiração ofegantes, falta de coordenação motora, enrijecimento dos membros, entumecimento do ventre, colapso circulatório, asfixia e a morte dos animais. Um primeiro socorro a este animal envenenado seria:


fazer uma punção ruminal, esvaziando o rúmen do animal
doses elevadas de soro glicosado via venosa
aplicar antibiótico via endovenosa
administrar vermífugo intramuscular
administrar vinagre via oral

Para se ter um bom plantel, com animais com boa constituição e desenvolvimento corporal, é necesssário antes de mais nada, atentar para que esses tenham os melhores manejos no sistema de produção. Desta forma, o criador tem que observar sete (7) elementos para o efetivo êxito do processo. Os elementos são: genética dos animais; nutrição (volumosos, concentrados minerais); instalações (currais, bretes..); manejos aplicados (sanitário, reprodutivo....), mão de obra e assistência técnica, ambiente adverso (clima, barulho, agentes agressivos) e patógenos (vírus, bactérias, protezoários e outros). Com base nos elementos citados, qual (ais) são os que produtor rural tem maiores problemas ou dificuldades para controlar.


ambiente adverso (calor, frio, chuva, seca, barulhos...) e patógenos (vírus, bactérias, protozoários....)
manejos aplicados - vacinações, vermifugação, inseminação artificial, castração, desmame....
assistência técnica (zootecnistas, veterinários, agrônomos) e mão de obra (peões, retireiros, casqueadores)
instalações (curais, bretes, pé-de-lúvios, embarcador....)
genética dos animais de produção e nutrição (alimentos fornecidos)
Páginas: 123456