A COLONIZAÇÃO EUROPÉIA NAS AMÉRICAS


Na América inglesa, não houve nenhum processo sistemático de catequese e de conversão religiosa dos índios, apesar de algumas iniciativas nesse sentido. A mestiçagem também não foi um fator determinante da colonização inglesa: brancos e índios confrontaram-se muitas vezes e se mantiveram separados.
Esse cenário se justificou, principalmente, porque:


os indígenas não tinham o costume do trabalho e foram substituídos pela mão-de-obra escrava na maioria das colônias.


as colônias não possuíam uma estrutura sócio-administrativa para incluir os indígenas em suas atividades, por isso foram ignorados.


os colonos não tiveram interesse de buscar uma aproximação com os indígenas para manter a pureza da raça ariana.


os indígenas se mostraram pacíficos e dispostos a colaborar para a expansão colonial inglesa.


apesar de conviver com o indígena, a política dominante nas colônias foi o isolamento desses povos ou mesmo seu extermínio para posse de novas terras.

Observe o esquema para responder a questão:


O comércio triangular era altamente lucrativo para as colônias inglesas do norte. Fatores de ordens climática e geográfica possibilitaram o surgimento desse comércio mercantil, que possibilitou às colônias alcançarem certa autonomia econômica em relação à metrópole inglesa.
Sobre as relações estabelecidas, conforme o esquema acima, assinale a alternativa que identifica corretamente a rota com os produtos comercializados entre os continentes:


Rota 1: As Antilhas forneciam rum para a África em troca de escravos que eram vendidos para as Américas, que por sua vez exportava produtos manufaturados para as Antilhas.


Rota 2: As Antilhas forneciam açúcar e tabaco para a América, que trocava por produtos manufaturados na África, que por sua fornecia o rum para as Antilhas.


Rota 1: A América exportava o rum para a África, que em troca, vendia escravos para as Antilhas, que por sua vez forneciam o melaço da cana para fabricação de rum na América.


Rota 2: A América exportava produtos manufaturados para as Antilhas, que trocava esses produtos por algodão e açúcar na África, que vendia servos por contrato para a América.


Rota 1: A América exportava têxteis para África, que fornecia rum para as Antilhas, que, por sua vez, trocava o rum por escravos nas Américas.

Leia com atenção o texto a seguir:

 

Neste sistema, que consistia em prestações compulsórias e rotativas de trabalho, cada comunidade deveria fornecer um número proporcional à sua população de homens adultos que trabalhariam periodicamente nas empresas coloniais (minas, haciendas e serviços públicos). A duração das jornadas de trabalho compulsório e a proporção de índios envolvidos variavam muito de região para região.

 

O texto se refere à seguinte forma de trabalho utilizada na América Espanhola:


Requerimento


Encomienda


Servidão coletiva


Escravidão


Repartimiento

A colonização inglesa na América iniciou tardiamente se comparada à colonização Ibérica e ganhou impulso apenas no século XVII, com a ação das companhias de comércio de Londres e Plymouth, que fundaram os primeiros núcleos fixos de povoamento.
Sobre a colonização inglesa, analise as afirmativas a seguir:
 

I - Dentre as pessoas que foram enviadas para as colônias estão nobres, pequenos proprietários, aventureiros, órfãos, mulheres; a maioria sem recursos e degredados.
II - A Inglaterra impôs às Treze Colônias um modelo de colonização centralizado, nos moldes da colonização ibérica.
III - A perseguição religiosa na Inglaterra motivou a vinda de milhares de puritanos que estabeleceram nas colônias do norte uma convivência pacífica baseada na tolerância religiosa.
IV - Na América Inglesa predominaram núcleos coloniais separados, marcados pela forte autonomia política e administrativa.
 

É correto apenas o que se afirma em:


I, II e III 


II e III


I e IV


II e IV 


I, III e IV 

No século XVIII, os escravos representavam 40% da população da colônia da Virgínia e cerca de 20% da população total das Treze Colônias. A escravidão negra era mais presente nas colônias do Sul, mas o racismo era institucionalizado em toda a América do Norte. Sobre a condição dos escravos nas colônias inglesas, analise as afirmativas a seguir:

 

I – Segundo as leis da Virgínia, a condição de escravo era determinada pela mãe, assim, mesmo a criança sendo filhos de ingleses ela já nascia sendo um escravo.

II – Nas colônias sulistas os escravos batizados numa religião cristã deixavam a condição de escravidão e passavam a ser tratados como servos por contrato.

III – Os castigos corporais eram bastante comuns e intensos como forma de punir os escravos, sendo que os senhores ou capatazes não recebiam qualquer punição caso algum escravo viesse à morte.

IV – Com o crescimento do número de escravos, algumas colônias do Sul criaram leis de proteção aos negros, inserindo-os na sociedade colonial e assegurando-lhes alguns direitos básicos, como saúde e educação.

 

É correto apenas o que se afirma em:


I, II e III.


I e III.


II e III.


I, III e IV.


II e IV.

A colonização inglesa na América iniciou-se tardiamente - se comparada à colonização Ibérica - e ganhou impulso apenas no século XVII, com a ação das companhias de comércio particulares, que fundaram os primeiros núcleos urbanos.

Sobre a colonização inglesa, analise as afirmativas a seguir:

 

I - Dentre as pessoas que foram enviadas para as colônias estão nobres, pequenos proprietários, aventureiros, órfãos, mulheres; a maioria sem recursos e degredados.

II - A Inglaterra impôs às Treze Colônias um modelo de colonização centralizado, nos moldes da colonização ibérica.

III - A perseguição religiosa na Inglaterra motivou a vinda de milhares de puritanos que estabeleceram nas colônias do norte uma convivência pacífica baseada na tolerância religiosa.

IV - Na América Inglesa predominaram núcleos coloniais separados, marcados pela forte autonomia política e administrativa.

 

É correto apenas o que se afirma em:


I, II e III


I, III e IV


I e IV


I e III


II e IV

Leia com atenção a citação abaixo:

 

"Sem colonização não há uma boa conquista e, se a terra não é conquistada, as pessoas não serão convertidas. Portanto, o lema do conquistador deve ser colonizar." (GÓMARA, Francisco López de. Historia General de las Indias. Madrid, 1852. p.181.)


Com base nas palavras do historiador espanhol e considerando o processo de conquista e colonização da América Espanhola, é correto afirmar que: 


A colonização da América foi uma ação militar-religiosa que buscou expulsar da Espanha toda a escória da sociedade, tendo em vista a migração maciça de súditos espanhóis para dominar a terra.


Para os espanhóis, que menosprezavam a condição de nobreza, a ausência de mão-de-obra para trabalhar a terra não foi um obstáculo à colonização.


A “boa conquista”, para o autor, limitava-se a assaltar, a saquear e a tomar posse de objetos fáceis de transportar, como ouro, prata e pedras preciosas.

 


A conquista espiritual e territorial da América só foi possível a partir da implantação de uma rigorosa empresa colonial, que passou a controlar a vida econômica, social e ideológica das sociedades hispano-americanas.


A superioridade numérica de armamentos e a experiência tática dos espanhóis permitiram uma conquista pacífica e sem traumas.

Para compreender o processo inicial de conquista da América é preciso considerar o contexto em que viva a Espanha no período do mercantilismo e dos expansionismos nos séculos XV e XVI.
Sobre os principais interesses e motivações que levaram a Coroa espanhola a financiar as expedições de aventureiros pelos mares e buscar novos territórios analise as afirmações a seguir:


I - A busca de lucro (ligada ao aspecto mercantil) e a busca de privilégios (ligada aos interesses da nobreza) foram duas tendências opostas que dominaram o expansionismo empreendido pelos espanhóis na América.
II - O expansionismo espanhol foi resultado de um impasse no qual vivia a Europa: as disputas comerciais e a crise social, que impulsionaram a busca de novos mercados.
III - A unificação do reino espanhol após o fim da Guerra de Reconquista permitiu o fortalecimento político e econômico para financiar as expedições ultramarinas.


É correto apenas o que se afirma em:


I.


I e III.


III.


I e II.


I, II e III.

A Espanha do século XV era marcada por traços medievais europeu e ao mesmo tempo estava à beira de renovações econômicas, culturais e políticas, que se fariam sentir nos séculos posteriores, motivadas, principalmente, pela expansão marítima.
A respeito da situação da Espanha no período inicial de conquista dos territórios da America, podemos afirmar que:


Se encontrava no momento de apogeu comercial, exportando artigos de luxo para fora da Europa, e também lucrando com o comercio de especiarias.


Vivia um período de reflorescimento do comércio e de inovações marítimas, o que lhe permitiu ser a pioneira do expansionismo na Europa.


Vivia em um momento de extrema expansão comercial, com um mercado de exportações bem ampliados, que marcou sua transição para o capitalismo.


Se encontrava dominada pelo mundo islâmico, o que impediu a unificação católica do território, que se dará apenas com a criação da Companhia de Jesus, que expulsou os árabes.


Vivia um processo de reconquista de seus territórios e de unificação política e religiosa, que culminou com a centralização monárquica e a consolidação do Estado espanhol.

A colonização inglesa na América do Norte foi estruturada entre os séculos XVII e XVIII e apresentou características distintas entre suas regiões coloniais. Dentre as características econômicas das colônias do norte, destacou-se a(o):


desenvolvimento da grande propriedade agrária


produção exclusiva para o mercado externo


fortalecimento do comércio mercantil e manufatureiro


produção das culturas agrícolas do tabaco e do algodão


utilização da mão de obra servil e escrava africana

Páginas: 12345