LÍNGUA PORTUGUESA I


Muitas vezes confundimos tipos de textos com gêneros textuais. Porém,você já sabe que  há diferença entre eles. De acordo com os estudos feitos,  marque nas afirmativas abaixo,  1 quando se tratar de gênero textual e 2 quando se tratar de tipos de texto.

(   ) designações teóricas dos tipos: narração, argumentação, descrição, injunção e exposição.

(  ) constituem textos empiricamente realizados cumprindo funções em situações comunicativas.

(   ) realizações linguísticas concretas definidas por propriedades sócio comunicativas.

(   ) sua nomeação abrange um conjunto limitado de categorias teóricas determinadas por aspectos lexicais, sintáticos, relações lógicas, tempo verbal.

(   )  sua nomeação abrange um conjunto aberto e praticamente ilimitados de designações concretas determinadas pelo canal, estilo, conteúdo, composição e função.

 

A sequência correta é:

 


2, 1, 1, 1, 2.
2, 2, 1, 2, 1.
1, 1, 2, 2, 1.
1, 1, 1, 2, 1.
2, 1, 1, 2, 1.

Marque a afirmação correta em relação ao texto abaixo.

Quadrilha – Carlos Drummond de Andrade

“João amava Teresa que amava Raimundo

que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili

que não amava ninguém.

João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,

Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,

Joaquim suicidou-se e Lili casou J. Pinto Fernandes

Que não tinha entrado na história”.



Trata-se de uma narração, sem nenhum traço dissertativo.
Trata-se de um texto dissertativo com alguns elementos descritivos.
Não se trata de texto narrativo, pois não há um desfecho.
É um texto explicativo.
É um texto descritivo, com alguns elementos narrativos.
Chafe (1985 apud MARTINS, 2011) apresenta algumas categorias de diferenças entre a escrita e a fala. Considerando esse estudo, avalie as afirmativas a seguir, considerando as corretas.  I. Expressões como “de qualquer forma” e “agora, quando” possibilitam ao falante controlar o fluxo de informações, mediante a rapidez com que  elas  são expressas.  II. A quantidade de informação expressa na fala possibilita ao interlocutor compreender confortavelmente seu conteúdo, retendo-o na memória de curto prazo, por tempo determinado, o que não ocorre na escrita.  III. A escrita é mais conservadora, enquanto a fala é mais inovadora. Um aspecto inovador da fala constitui-se nas mudanças lexicais e gramaticais que transformam a língua ao longo do tempo.  IV. Diferentemente da fala, a escrita não é realizada face a face. Assim, o interlocutor-escritor tem um tempo maior e mais flexível para a elaboração de seus pensamentos, o que lhe possibilita a articulação de uma maior variedade e quantidade de informações, de forma deliberada.  Assinale a alternativa que contém as afirmativas CORRETAS

I, II, III e IV
I e IV
I e II
II e IV
III e IV

O mesmo processo de formação da palavra “alfabetização” é observado em


Alegremente, carinhoso.


Passatempo, girassol.


Desalmado, entristecer.


Infeliz, planalto.


Automóvel, televisão.

Assinale a alternativa cuja análise da palavra “desonrosa” está inadequada.


A partícula des- é prefixo.


A partícula onr- é o radical.


A palavra é formada por derivação prefixal e sufixal.


O “a” final é um morfema de gênero.


A partícula - rosa é o sufixo.

Você aprendeu que temos três visões de linguagem embasando o ensino de língua materna no Brasil.  Há um que foi mantido praticamente sem contestação até o final da década de 60, embora tenha repercussões mesmo atualmente no ensino fundamental e médio (PERFEITO, Alba Maria. concepções de linguagem e análise linguística: diagnóstico para propostas de intervenção.

Trata-se de um ensino de língua que enfatiza a gramática teórico-normativa: conceituar, classificar, para, sobretudo, entender e seguir as prescrições – em relação à concordância, à regência, à acentuação, à pontuação, ao uso ortográfico etc.  O eixo da progressão curricular dos manuais didáticos são os itens gramaticais.

 Tal prática baseia-se na visão de linguagem como:


Organização do pensamento, pelo estudo dos fatos linguísticos por intermédio de exercícios estruturais morfossintáticos, visando a internalização da língua culta.


Instrumento de comunicação, em que a língua é vista como um código, capaz de transmitir uma mensagem de um emissor a um receptor, isolada de sua utilização.


Organização do pensamento, visando as normas do bem falar e do bem escrever;


Forma de interação, entendendo a linguagem como uma ação orientada para uma finalidade específica que se realiza nas práticas sociais existentes, nos diferentes grupos sociais, nos distintos momentos da história.


Instrumento de comunicação, em que se destaca a função essencialmente informativa da linguagem.

Observe as situações a seguir e, com base nos estudos realizados sobre a oralidade e a escrita, analise as afirmativas.

Situação 1

Situação 2 

Acervo EAD – Uniube

I) A linguagem utilizada nas duas situações, seleção de palavras, planejamento e formalidade nos permitem perceber a que práticas sociais se refere cada situação e, assim, é possível perceber que o noticiário é oral e o bilhete é escrito.

II) As marcas de escrita são mais formais do que as de fala. Os exemplos ilustrados confirmam esse pensamento.

III) Nas situações acima, a fala do repórter é formal, enquanto o bilhete escrito é totalmente informal.

IV) Na situação 1, é utilizada uma linguagem formal, planejada, com predomínio do uso de orações subordinadas, pouca redundância e maior quantidade de itens lexicais do que itens gramaticais.

V) Na situação 2, observamos o uso de abreviações, utilizadas em textos informais, maior quantidade de itens gramaticais do que lexicais e uso de orações coordenadas.

Estão corretas apenas as afirmativas contidas em

 



I, II e III. 


I, III, IV e V.


III, IV e V.


II, III, IV e V. 


II, III e IV. 

Leia a transcrição do depoimento oral de uma professora:

 Ser professora é algo desafiador. Desde criança eu quis ser professora, adorava giz! É... Eu me lembro de sair procurando pedacinhos de giz nas salas de aula da escola depois de ter tocado o sinal para ir embora. É... Não sei... Acho que, se eu não fosse professora, eu seria muito infeliz. É... Apesar das dificuldades... Apesar das dificuldades que a gente encontra no caminho há o reconhecimento de alguns alunos e a possibilidade de criar coisas novas. Às vezes, cê tá achando sua aula monótona e então cê muda tudo! Eu não acho que é a remuneração que nos motiva a fazer um trabalho de qualidade. Eu acho que... ou melhor, eu tenho certeza que o bom professor é bom em qualquer lugar, em todas as horas, pois, antes de tudo ele tem um compromisso com ele mesmo, com seu eu-educador e é por isso que ele marca positivamente a vida de cada um de seus alunos! É isso, aí! 

 Você estudou que a modalidade oral é diferente da modalidade escrita. No trecho acima, pode-se identificar algumas características da modalidade oral. São elas:

  1. falsos começos, por exemplo: “Não sei...”;
  2. hesitações, por exemplo “É...”;  “Eu acho que... ou melhor, eu tenho certeza [...]”;
  3. repetições, por exemplo “Apesar das dificuldades... Apesar das dificuldades que a gente [...]”;
  4. emprego de expressões típicas da fala e que devem ser evitadas na escrita, como “cê tá”. 

Assinale a alternativa que contém as afirmativas CORRETAS


1, 2, 3 e 4.


2, apenas.


1, 2 e 3.


1 e 2.


3 e 4.

Leia os textos a seguir para responder à questão.

Texto 1

Pronominais – Oswald de Andrade

Dê-me um cigarro

Diz a gramática

Do professor e do aluno

E do mulato sabido

Mas o bom negro e o bom branco

da Nação Brasileira

Dizem todos os dias

Deixa disso camarada

Me dá um cigarro.

 

Texto 2

“iniciar a frase com pronome oblíquo átono só é lícito na conversação familiar, despreocupada, ou na língua escrita quando se  deseja reproduzir a fala dos personagens [...]”

Domingos Paschoal Cegalla. Novíssima gramática da língua portuguesa. São Paulo, Nacional, 1980.

Comparando a explicação dada pelos autores sobre essa regra, pode-se afirmar que ambos


acreditam que apenas os esclarecidos sabem essa regra.


relativizam essa regra gramatical.


afirmam que não há regras para o uso de pronomes.


condenam essa regra gramatical.


criticam a presença de regras gramaticais.

Qual a tipologia textual do trecho apresentado abaixo?

        “Eram cinco horas da manhã  e o cortiço acordava, abrindo, não os olhos, mas a sua infinidade de portas e janelas alinhadas.

        Um acordar alegre e farto de quem dormiu assentada, sente horas de chumbo. [...]  

        A roupa lavada, que ficara de véspera nos coradouros, umedecia o ar e punha-lhe um fartum acre de sabão ordinário. As pedras do chão, esbranquiçadas no lugar da lavagem  e em alguns pontos azulados pelo anil, mostravam uma palidez grisalha e triste, feita de acumulações de espumas secas.” 


Descrição


Narração com alguns traços descritivos


Dissertação subjetiva


Narração com alguns traços dissertativos. 


Dissertação objetiva com alguns traços descritivos

Páginas: 123456