INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LINGUÍSTICOS


Você aprendeu que as concepções de linguagem influenciam diretamente na prática pedagógica do professor de Língua Portuguesa. Analise, a seguir, a prática pedagógica da professora Anna. 

 

Anna, professora do Ensino Fundamental está trabalhando com seus alunos os gêneros textuais e escolheu a fábula como tema da aula de hoje. Para iniciar a aula ela trabalha oralmente o gênero escolhido, explicando aos alunos que a fábula é uma narrativa breve, cujos personagens geralmente são animais que se tornam exemplos para os seres humanos, ou seja, sempre terminam com um fundo moral. Em seguida, pediu a eles que, em grupo, construíssem um cartaz mostrando as características da fábula.

 

As novas bases orientadoras para o ensino do Português adotam uma perspectiva dialógica do ensino da língua. A prática adotada pela professora Anna aponta essa interação dialógica? Assinale a resposta correta. 

 

 


Sim. A atividade deixa claro que os alunos são sujeitos atores e construtores da leitura como prática social.


Não. As práticas sociais de leitura e escrita precisam levar à familiarização com os diferentes gêneros textuais em situações reais de uso e isso não se faz oralmente.  


Sim. A atividade propõe a participação, a iniciativa e a cooperação dos alunos respeitando as opiniões de todos.


Sim. Ela questiona, sugere, concorda, refuta ideias encarando o aluno como sujeito do discurso.


Sim. Ela trabalha o caráter dialógico da fábula em que vários discursos estão presentes e são permitidos. 

Entre as concepções de linguagem que devem embasar o conhecimento teórico do professor de língua portuguesa, você percebeu que há uma que o habilita a garantir ao seu aluno o acesso aos conhecimentos linguísticos necessários para o exercício da cidadania.

 Escolha a melhor opção que nomina essa concepção e que justifica a escolha feita.

 

 


A concepção da linguagem como expressão do pensamento, pois ensina ao aluno a lógica da linguagem que se apoia no estudo gramatical normativo.


A concepção da linguagem como instrumento de comunicação, pois enfatiza a visão da língua como um sistema de signos, ou seja, um código.


A concepção da linguagem como expressão do pensamento, pois ensina o aluno a pensar de forma lógica.


A concepção da linguagem como forma ou processo de interação humana, pois ensina o aluno a ver a língua como uma atividade discursiva que se faz num contexto sócio histórico e no interior de uma circunstância de interlocução.


A concepção da linguagem como instrumento da comunicação, pois destaca a principal função da linguagem como transmissora de informações.

Leia com atenção o trecho da música “Caviar” de Zeca Pagodinho.

 

 

Caviar – Zeca Pagodinho

 

 

Você sabe o que é caviar?

Nunca vi, nem comi, eu só ouço falar

Mas você sabe o que é caviar?

Nunca vi, nem comi, eu só ouço falar

 

Caviar é comida de rico curioso fico, só sei que se come

Na mesa de poucos fartura adoidado

Mas se olha pro lado depara com a fome

Sou mais ovo frito, farofa e torresmo

Pois na minha casa é o que mais se consome

Por isso, se alguém vier me perguntar

O que é caviar, só conheço de nome

 

Você sabe o que é caviar?

Nunca vi, nem comi, eu só ouço falar

Mas você sabe o que é caviar?

Nunca vi, nem comi, eu só ouço falar

 

 

Para que possamos entender  e dar sentido a um texto que lemos ou ouvimos nos mais diferentes contextos, é preciso que conheçamos do assunto sobre o qual está se falando.

 

Na letra da música “Caviar” o interlocutor que não conhece a iguaria só entenderá o sentido do diálogo presente no texto se ativar 

 

 


Seu conhecimento linguístico


Seu conhecimento sobre informatividade


Seu conhecimento de mundo


Seu conhecimento sobre focalização


Seu conhecimento semântico

Analise as assertivas abaixo.

 

I - A linguagem não verbal é composta por signos sonoros ou visuais, como placas, imagens, vídeos etc.

II - A linguagem verbal diz respeito aos signos que são formados por palavras. Eles podem ser sinais visuais e sonoros.

III – A linguagem verbal, por apresentar  elementos linguísticos concretos, pode ser considerada superior à linguagem não verbal.

IV – Tanto a linguagem verbal como a  não verbal são importantes, e o sucesso na comunicação depende delas, ou seja, elas permitem que o interlocutor receba e compreenda  uma mensagem adequadamente.

 

Estão corretas as afirmativas:    

 


 I, III e IV. 


 I, II e III          


I, II e IV.         


II, III e IV.


I, II, III e IV.   

Estudando o capítulo 5 do seu livro I – A linguagem verbal e o contexto – você aprendeu que a coerência se estabelece em diversos níveis. Recorde os que você estudou, e destaque a qual deles a situação abaixo se refere.

 

 

Esse nível de coerência refere-se à manutenção do mesmo registro linguístico dentro de um contexto normativo ou padrão de uso da língua. Ou seja, num caso em que se usem gírias em textos acadêmicos, como por exemplo, numa conferência.

 

 


Coerência ilocucional


Coerência semântica


Coerência estilística


Coerência sintática


Coerência pragmática

A coerência que envolve a expectativa do conteúdo relacionado aos atos da fala numa comunicação é a coerência

 

 

 


estilística


genérica


semântica


sintática


pragmática

Leia o texto a seguir. 

 

Soneto de fidelidade (Vinicius de Moraes)

 

 

 De tudo, ao meu amor serei atento

Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto

Que mesmo em face do maior encanto

Dele se encante mais meu pensamento.

 

Quero vivê-lo em cada vão momento

E em seu louvor hei de espalhar meu canto

E rir meu riso e derramar meu pranto

Ao seu pesar ou seu contentamento.

 

E assim, quando mais tarde me procure

Quem sabe a morte, angústia de quem vive

Quem sabe a solidão, fim de quem ama

 

Eu possa me dizer do amor (que tive):

Que não seja imortal, posto que é chama

Mas que seja infinito enquanto dure.

 

 

Nos dois primeiros quartetos do soneto de Vinicius de Moraes, pode-se inferir que o poeta


acredita que somente a morte pode pôr fim ao amor de duas pessoas.


mesmo amando muito uma pessoa pode apaixonar-se por outra e trocar de amor.


não acredita  que o amor  pode ser  entrega total entre duas pessoas. 


enxerga na angústia causada pela ideia da morte, um empecilho para as pessoas se entregarem ao amor.  


acredita que o amor é um sentimento intenso a ser compartilhado, seja na alegria ou na tristeza.

Assinale a frase correta quanto às normas gramaticais do português padrão, à coesão textual e à coerência.


Grande  parte das crianças  mora muito longe, vai à escola com fome, por isso ocorre o grande número de desistências.


O solo do Nordeste é muito seco e aparentemente árido, mesmo  quando caem as chuvas, imediatamente brota a vegetação.


Na região Sudeste já não chove há mais de três meses, apesar de que já se pense em racionamento de água e energia elétrica. 


CD: os presentes que todos gostam.


Fazia muito frio, portanto mesmo assim fomos à praia.

Qualquer ensino da língua portuguesa tem subjacente uma determinada concepção de linguagem, que irá se manifestar na seleção de conteúdos, na metodologia e na avaliação do professor.

 

 

Diante disso, relacione as concepções de linguagem às suas características, numerando a 2ª coluna de acordo com a 1ª.

 

1 – Linguagem como expressão do pensamento

 

2 – Linguagem como instrumento de comunicação

 

3 – Linguagem como processo de ação e interação.

 

(    ) Nessa concepção a linguagem se faz pela interação comunicativa mediada pela produção de sentido entre interlocutores, em dada situação e em um contexto sócio histórico e ideológico.

 

 (     ) Essa concepção tem como função principal a transmissão de informações.

 

(   ) preocupa-se com a língua enquanto sistema, como as palavras são formadas, como se relacionam entre si, desconsiderando aspectos como finalidade e intenções, grau de familiaridade, posição social, dentre outros.

 

 (   ) Aqui a norma culta é ensinada como uma das possibilidades de uso da língua, em situações da vida cotidiana que a exijam, e reafirma-se a existência de outras variedades que podem e devem ser utilizadas, dependendo da situação de comunicação.

 

(   ) Nessa concepção há apenas a preocupação com a teoria gramatical, ou seja, com classificações e regras em atividades que não exigem nenhum tipo de reflexão.

 

 

A sequência correta é 


3,2,2,3,1
3,3,2,3,1
2,2,3,1,1
3,2,1,3,1
1,2,2,3,3

Leia o trecho, a seguir, retirado do capítulo 1 A natureza e distribuição social das modalidades linguísticas.


   Nos contextos básicos da vida cotidiana de todos nós, seres humanos, como o trabalho, a escola, o dia a dia, a família, a vida burocrática ou a atividade intelectual, utilizamos textos orais e/ou escritos, para interagirmos com nossos semelhantes. Enquanto que, em algumas situações, como as interações face a face, tais como uma conversa informal, uma aula, uma palestra ou um discurso de político em época de eleições, usamos a modalidade oral da língua; em outras interações, em que o locutor está geográfica, temporal, cultural ou socialmente distante do seu interlocutor, isto é, aquele com quem se fala, é preciso que nos utilizemos da escrita, para que a interação se realize. Portanto, temos ao nosso dispor duas modalidades distintas de uso da língua: a fala e a escrita, que constituem atividades interativas e complementares no contexto das práticas sociais, uma vez que não são comutáveis, ou seja, uma não pode substituir a outra, mas em situações em que não se pode usar a modalidade falada, podemos certamente lançar mão da escrita, para nos comunicarmos.

Considerando essa citação e o estudo realizado a respeito das diferenças entre a fala e a escrita, analise as afirmações a seguir.

 

I) A escrita é mais importante do que a fala, pois ela é formal, planejada, permite que o escritor procure a melhor expressão para expor seu pensamento. Além disso, o escrito pode reler quantas vezes quiser o que já escreveu, para que cada sentença flua suavemente.

 

II) Quanto à aquisição das modalidades oral e escrita da língua, podemos afirmar que a fala tem primazia cronológica e é adquirida naturalmente em contextos informais do cotidiano e nas relações sociais que se instauram. Já a escrita é adquirida em contextos formais e deve ser aprendida por um processo pedagógico.



III) Quanto às diferenças funcionais entre a fala e a escrita, podemos afirmar que a fala pode desempenhar todas as funções de que a sociedade precisa, mas a escrita é fundamental para registrar os acontecimentos, armazenar detalhes de documentos. Além disso, ela é valorizada pela necessidade de etiquetagem.


IV) Fala e escrita passaram a ser encaradas levando-se em conta a distribuição de seus usos na vida cotidiana. Para isso, foi preciso que o tratamento das relações entre as duas modalidades deixasse de centrar-se apenas no código linguístico e, assim, elas passaram a ser vistas como atividades não que se opõem, mas que se complementam no contexto das práticas sociais de linguagem.



V) A escrita não pode ser considerada como representação da fala por vários motivos. Primeiro, porque a escrita não consegue reproduzir muitos dos fenômenos da oralidade como a prosódia, a gestualidade, os movimentos do corpo e dos olhos, dentre outros. Por outro lado, a escrita tem elementos significativos próprios, como o tamanho e tipo de letras, cores e formatos. Dessa forma, são práticas de uso da língua com características próprias, mas que não chegam a constituir dois sistemas diferentes. 

 

São corretas APENAS as afirmativas:

 

 


I, II, III e IV.
III, IV e V.
I, III, IV e V.
II, III, IV e V.
I, II, III e V.
Páginas: 12345