DAS COMUNIDADES PRIMITIVAS AO MUNDO MEDIEVAL


Durante o século XV e no início do século XVI, vencido o poderio dos Senhores feudais, foram surgindo os Estados Modernos, através do fortalecimento da autoridade monárquica, da definição de fronteiras nacionais e da unidade linguística e cultural de cada povo. Com base no texto anterior, julgue as alternativas seguintes e marque (V) para as verdadeiras ou (F) para as falsas:

(  ) A necessidade de encontrar um poder regulador, pacificador e unificador levou a nobreza a dar seu apoio aos reis.

(  ) O direito romano reconhecia ao Estado plenos poderes, contribuindo para reforçar a autoridade real.

(  ) Os reinos da França e Inglaterra firmaram-se com o término da Guerra dos Cem Anos.

(  ) Os Estados alemão e italiano surgiram no século XV.

(  ) O reino de Portugal foi o primeiro Estado Moderno da Europa.

 

A sequencia correta está contida em:


V-V-V-F-F
F-F-F-V-V
V-F-V-F-V
V-V-V-V-V
F-V-V-F-V

A vida urbana europeia na Idade Média sofreu uma forte retração em relação ao que era durante a Antiguidade Clássica. Os grandes centros urbanos do Império romano se tornaram cidades de pouco expressão ao longo do período medieval. O que explica esse fenômeno? Assinale a alternativa correta.


Os nobres estimulavam as pessoas à procurarem a vida rural. Eles esperavam que seus lucrativos negócios agrícolas fossem beneficiados pela mão-de-obra abundante.
As constantes epidemias geradas pela baixa qualidade de saneamento das cidades acabavam afugentando a população que, por sua vez, buscava o meio rural.
A literatura racionalista da época acabava inclinando a população à procura do campo para melhorar sua qualidade de vida.
A Igreja Católica acreditava que a vida urbana era algo demoníaco, por isso estimulava as pessoas a abandonarem as cidades.
As cidades foram destruídas, os bárbaros ocupavam os territórios, obrigando a autossuficiência dos feudos e o consequente enfraquecimento comercial, isso reduziu a importância das cidades para a vida social.

Egito, lugar místico, terra de deuses, de pirâmides, de crença na vida após a morte e de tesouros arqueológicos. Com base nas suas leituras, analise as assertivas abaixo:

 

I - Os egípcios foram responsáveis por uma civilização extremamente original. O isolamento geográfico contribuiu para isso.

 

II - Os egípcios, no Antigo Reino, que acreditavam na vida após a morte, deixavam bens para os templos com a finalidade de que suas múmias recebessem alimentos e outras coisas necessárias para seu retorno.

III - As condições climáticas no Antigo Egito eram bastante inóspitas, acarretando extrema dificuldade 

para a agricultura.

 

IV - Os camponeses egípcios, ao trabalharem de graça para o Estado, estavam dispensados dos impostos.

 

Estão corretas as afirmativas contidas em:


I, III e IV apenas
I e II apenas
I e IV apenas
II e III apenas
II e IV apenas

O povo hebreu sofreu  bastante após a expulsão dos hicsos do Egito. Ao se libertarem empreenderam o êxodo rumo à Palestina. Depois de instalados e após a morte do Rei Salomão, o descontentamento de tribos do norte, fizeram com que o reino fosse dividido em dois:


Jerusalém e Mesopotâmia
Assíria e Judá
Israel e Judá 
Israel e Edom
Israel e Egito

Os conhecidos irmãos Grimm, coletaram contos que faziam parte do folclore de seu país, a Alemanha, mas que eram também encontrados em outros países com algumas variações. Nos textos havia personagens do imaginário, do fantástico, tais como: dragões, lobos, monstros, bruxas. A maioria das histórias relatadas pelos camponeses aos irmãos, eram trágicas, mas foram alteradas de modo a entreter convidados em reuniões e saraus. Ganharam finais felizes e trouxeram sempre uma lição moral. É interessante notar que nas histórias as mulheres são apresentadas como modificadoras do enredo para o bem ou para o mal. Analise as seguintes assertivas a respeito do imaginário medieval:

 

I - Os contos trazem muitas informações a respeito da fome e dificuldades financeiras pelas quais passavam os camponeses no período medieval.

II - Do folclore medieval constavam histórias sobre monstros devoradores, homens lobo, lobisomens, que se originaram de relatos surgidos das caçadas a lobos, que eram muito comuns nessas regiões.

III - As dificuldades climáticas, secas, inverno rigoroso ou inundações, vinculadas às queimadas indiscriminadas e às técnicas rudimentares de plantio geravam péssimas colheitas e, em consequência a fome, que por sua vez era desencadeadora de várias tragédias, entre elas: indigência, debilidade física, mortes por inanição, doenças, pestes e mortes em geral.

IV - Não era conhecida uma boa técnica de armazenagem dos poucos alimentos colhidos, com isso a proliferação de ratos era assustadora, ocasionando mais epidemias e mortes.

 

É possível dizer que estão corretas as alternativas:


I, II, e IV apenas
I e II apenas
I e IV apenas
II e III apenas
I, II, III e IV 

A Peste Negra dizimou boa parte da população europeia, com efeitos sobre o crescimento das cidades. O conhecimento médico da época não foi suficiente para conter a epidemia. Na cidade de Siena, Agnolo di Tura escreveu:

 

“As pessoas morriam às centenas, de dia e de noite, e todas eram jogadas em fossas cobertas com terra e, assim que essas fossas ficavam cheias, cavavam-se mais. E eu enterrei meus cinco filhos com minhas próprias mãos (...) E morreram tantos que todos achavam que era o fim do mundo.”

(Agnolo di Tura. The Plague in Siena: An Italian Chronicle. In: William M. Bowsky. The  Black Death: a turning point in history? New York: HRW, 1971 (com adaptações).

 

O testemunho de Agnolo di Tura, um sobrevivente da Peste Negra, que assolou a Europa durante parte do século XIV, sugere que: 


houve substancial queda demográfica na Europa no período anterior à Peste.
o drama vivido pelos sobreviventes era causado pelo fato de os cadáveres não serem enterrados
a impressão causada pelo número de mortos não foi tão forte, porque as vítimas eram poucas e identificáveis.
o flagelo da Peste Negra foi associado ao fim dos tempos
a Igreja buscou conter o medo da morte, disseminando o saber médico.

O regime monárquico absolutista, forma política predominante entre os Estados modernos europeus nos séculos XVI a XVIII, caracterizava-se, do ponto de vista político e social, pelos seguintes aspectos:

 

1 – concentração de todos os poderes nas mãos do príncipe enquanto soberano absoluto;

 

2 – neutralidade do príncipe diante dos conflitos sociais, especialmente quanto aos interesses antagônicos de camponeses, burgueses e aristocratas;

 

3 – caráter divino da autoridade real, situada acima das leis e dos indivíduos, considerados apenas súditos;

 

4- inexistência de quaisquer limites, mesmo na prática, ao exercício da autoridade despótica do monarca.

 

Assinale a alternativa que mais atende


se somente os itens 1 e 2 estão corretos. 
se somente os itens 2 e 4 estão corretos.
se somente os itens 1 e 3 estão corretos.
se somente os itens 2 e 3 estão corretos.
se somente os itens 3 e 4 estão corretos. 
Grande importância teve o povo Hebreu para o mundo moderno. Aponte a alternativa mais completa em relação a esse povo.

De seu interior saiu o substrato das três religiões com maior número de adeptos – Cristianismo, Islamismo e Seicho-no-ie
De seu interior saiu o substrato das três religiões com maior número de adeptos – Cristianismo, Judaísmo e islamismo
De seu interior saiu o substrato das três religiões com maior número de adeptos – Islamismo, Seicho-no-ie e judaísmo
De seu interior saiu o substrato das três religiões com maior número de adeptos – Cristianismo, Islamismo e hinduísmo
De seu interior saiu o substrato das três religiões com maior número de adeptos – Islamismo, judaísmo e Taoísmo
Por que o memorável historiador grego Herodoto se referia ao Egito como sendo uma dádiva do Nilo? Assinale a alternativa correta.

O Nilo era um rio místico que emanava poderes incompreenssíveis para o gênio humana, mas que garantiam a força do Egito.
A fertilidade das margens do Nilo é que possbilitavam a prosperidade do Estado egípcio.
O Egito se tornou uma nação intelectualizada  com escolas de inspiração grega às margens do rio Nilo.
O Egito mantinha um exército muito forte que se notabilizou pelo uso das embarcações sobre o Nilio para proteger sua população. 
As águas do Nilo apresentavam propriedades medicinais que garantiam saúde para toda a apopulação egípcia. 
O continente africano é um território vasto que a milênios tem sido o berço de civilizações notáveis. Muitas dessas civilizações foram deliberadamente negligenciadas pelo ensino de História durante décadas. Só recentemente a escola brasileira passou a valorizar esse conteúdo e se debruçar sobre o continente africano, dando-lhe mais atenção. Considerando o panorama cultural que caracteriza a vida das sociedades africanas e a visão que o ensino de cultura africana tem ofertado ao aluno brasileiro. Assinale a alternativa correta.

A África é um verdadeiro mosaico de crenças e valores culturais. Uma diversidade enorme de línguas, costumes e hábitos milenares. 
Na antiguidade as tribos africanas, com sua grande variedade de idiomas, decidiram se unir em um projeto pan-africano que tentava mostrar a inutilidade de tantas línguas.
A África que conhecemos, com toda a diversidade cultural que a caracteriza, é obra do período contemporâneo. Na Antiguidade a África era um grande território comandado pelo Egito
A África da Antiguidade era território integrado a um grande império (romano), por isso, não havia espaço para manifestações culturais distintas entre as tribos
A África é um continente de fácil compreensão, pois, quem estudou uma cultura, estudou todas as outras. 
Páginas: 123456