HISTÓRIA GERAL DA EDUCAÇÃO


Desde o Renascimento, a educação, influenciada pelo Humanismo, se aproximou da razão humana para se opor aos dogmas cristãos e questionar as interpretações religiosas que predominavam no ensino. Nesse contexto, laicização do saber e a valorização da técnica em oposição ao discurso contemplativo evidenciaram o poder do controle científico sobre a natureza pautando novos ideais de educação.

 

Sobre os impactos do Iluminismo na educação do século XVIII, julgue os itens a seguir.

 

I A crença na razão e no progresso aplicaram à educação o papel de reformuladora da sociedade, da política, dos valores e da religião.

II A defesa dos direitos naturais do homem pautava um modelo de educação baseado na instrução religiosa, disciplinar e dos trabalhos manuais.

III Os intelectuais da época aspiravam um modelo de educação capaz de formar uma geração de cidadãos críticos e preocupados com o bem comum.

 

Está CORRETO o que se afirma em:


II e III.
I, apenas.
II, apenas.
I e III.
I e II.
As teorias políticas modernas fazem do indivíduo a origem e o fim do poder político. Nesse sentido, uma das características fundamentais do liberalismo é fazer coincidir o interesse individual e o coletivo: o indivíduo é fim em si mesmo, e a sociedade passa a ser organizada para o serviço da realização dos fins individuais. Desse modo, o governo se constitui como democracia liberal, e a política como “laissez faire, laissez passer, le monde va de lui-même”; ou seja, “deixar acontecer, deixar passar, o mundo vai por si mesmo”.   Acerca dos princípios do liberalismo político, associe a segunda coluna de acordo com a primeira.   Estado laico ( ) Caracteriza-se pela defesa da propriedade privada dos bens de produção. Economia de Mercado ( ) Resguarda o progresso por iniciativa própria, compreendo a competição como elemento saudável para o crescimento e a manutenção dos melhores. Princípio do lucro e da livre iniciativa ( ) Não se identifica com nenhuma confissão religiosa e não permite participação da Igreja no Estado e também não interfere na Igreja. Valorização do espírito empreendedor e competitivo ( ) Defende o equilíbrio na lei da oferta e da procura e redução da intervenção do Estado na economia.   Assinale a sequência CORRETA.

2, 4, 3, 1.
3, 4, 1, 2.
4, 2, 3, 1.
3, 4, 2, 1.
3, 2, 4, 1.

Leia, com atenção, os textos abaixo:


TEXTO I

O estudo da educação a partir do contexto histórico é importante, pois nele estão permeadas as raízes do presente. A educação de cada povo surge através de sua história como uma cultura que prevalece com o decorrer do tempo.


TEXTO II

A educação de cada época é constituída a partir de uma série de fatores, destacando-se, como principais, os ideais sociopolíticos e o interesse do homem pelo conhecimento. Contudo, compete aos homens operar as mudanças com o objetivo de projetar tanto na educação quanto na sociedade, uma linha progressista ou não de desenvolvimento.

 

Na relação entre o texto I e o texto II, é CORRETO inferir que:       


O texto I contradiz o texto II.


O texto II é uma crítica ao texto I.


Os dois textos não se relacionam.


O texto II contradiz o texto I.


O texto I complementa o texto II.

As sociedades tribais são predominantemente míticas e de tradição oral. Para esses povos, a natureza está “carregada” de deuses, e o sobrenatural permeia todas as esferas da vida e das experiências vividas: a mesma relação com o sagrado que se manifesta no campo religioso serve também de explicação para a origem do universo, dos deuses e dos homens, dos rituais e da técnica, do bem e do mal.

 

Sobre os modos de organização da cultura religiosa nas comunidades primitivas e sua influência sobre a educação, julgue os itens a seguir.

 

I A transmissão oral dos saberes da tribo permite que a criança tome conhecimento de sua ancestralidade e construa sua identidade como membro da tribo.

II A educação é fragmentada e as crianças são educadas para desenvolverem atividades específicas na comunidade (caça, pesca, agricultura, pastoreio...).

III O conhecimento mítico imprime uma tonalidade especial à educação, permitindo a coesão do grupo e a repetição dos comportamentos considerados adequados.

 

É CORRETO o que se afirma em:


III, somente.


II, somente.


I e II.


I e III.


I, somente.

Quando as sociedades se tornaram mais complexas, vimos que a divisão se instalou nelas: as mulheres, confinadas no lar, passaram a ser dependentes dos homens, os seguimentos sociais se especializaram entre governantes, mercadores, produtores e escravos, criando-se uma hierarquia de riqueza e poder (ARANHA, 2006, p. 45).


O texto acima nos apresenta um breve relato sobre a configuração das sociedades na Antiguidade Oriental. Partindo da leitura, é CORRETO inferir que: 


A hierarquização das sociedades da Antiguidade Oriental em governantes, mercadores, produtores e escravos não impedia que todos tivessem o mesmo acesso ao saber.


Na Antiguidade Oriental as mulheres passaram a ocupar lugar de destaque na sociedade, ingressando nos cargos políticos e religiosos.


A segmentação da sociedade na Antiguidade Oriental fez surgir uma pequena classe de privilegiados em prejuízo de uma grande massa de pessoas que não tinham acesso aos direitos políticos e à educação.


Assim como nas comunidades tribais, nas sociedades da Antiguidade Oriental não existe divisão de classes e todas as pessoas possuem os mesmos direitos políticos.


A complexidade da vida social nas civilizações da Antiguidade Oriental fez surgir um modelo de organização igualitária entre pessoas, desconstruindo as hierarquias de poder e riquezas.

Durante a monarquia romana predominou a utilização de escravos oriundos do não pagamento de dívidas contraídas enquanto o indivíduo era livre (direito civil), ao passo que com o período republicano e a expansão territorial, a profusão de conflitos permitiu aos romanos a submissão de grandes contingentes de povos dominados à condição de escravos (guerra). Por fim, tal condição tornou-se hereditária, sendo transmitida às gerações futuras pelo nascimento.

 

Tendo em vista a predominância do trabalho escravo nos diferentes contextos da antiguidade romana, julgue os itens a seguir.

 

I No período republicano, tornavam-se escravos os prisioneiros de guerra ou os indivíduos apreendidos por motivo de dívida.

II A mão-de-obra escrava era empregada em diferentes atividades: dos afazeres domésticos a funções intelectuais ou administrativas.

III A ascensão do cristianismo foi decisiva para atenuar castigos físicos e, posteriormente, pôr fim ao regime escravista romano.

 

Está CORRETO o que se afirma em:


III, somente.


I, somente.


II, somente.


II e III.


I e II.

Marca do vértice da Revolução Científica, o século XVII representou um momento de profundas transformações não só no território da ciência e das técnicas, como, sobremaneira, no modo como estas transformações implicaram o campo da filosofia e as questões relativas à essência humana, à moral e à política. Sobre as características da Modernidade, é CORRETO afirmar que:


as bases da epistemologia moderna (racionalismo e empirismo) tencionaram, na educação, uma nova forma de pensar e compreender as práticas pedagógicas e as relações com os sujeitos da aprendizagem.


as práticas pedagógicas voltadas à reprodução do modelo de ensino jesuíta tomavam por base a escolástica medieval e a ciência aristotélica, desprezando a filosofia e a ciência moderna.


a valorização da moral cristã e do critério da fé e da revelação determinaram as práticas pedagógicas na Modernidade, enfatizando o papel da igreja e da instrução religiosa.


as contradições decorrentes do processo de transição do regime feudal para o regime burguês impediram a construção de um pensamento moderno e muito pouco se avançou nos estudos das ciências naturais.


os esforços de institucionalização da escola fracassaram em virtude do esforço da igreja pelo resgate da moral cristã em oposição às tendências de laicização do ensino e valorização das ciências.

Sobre as diferentes concepções de tempo histórico, leia, com atenção, os textos a seguir:


TEXTO I

ANTIGAMENTE, as moças chamavam-se mademoiselles e eram todas mimosas e muito prendadas. Não faziam anos: completavam primaveras, em geral dezoito. Os janotas, mesmo não sendo rapagões, faziam-lhes pé-de-alferes, arrastando a asa, mas ficavam longos meses debaixo do balaio. [...] Os mais idosos, depois da janta, faziam o quilo, saindo para tomar fresca; e também tomavam cautela de não apanhar sereno. Os mais jovens, esses iam ao animatógrafo, e mais tarde ao cinematógrafo, chupando balas de altéia. Ou sonhavam em andar de aeroplano... [...] MAS TUDO ISSO era antigamente, isto é, outrora (ANDRADE, 1962).


TEXTO II

Pensar o passado não deve ser visto como um exercício de saudosismo, mera curiosidade ou erudição. O passado não está morto, porque nele se fundam as raízes do presente. É compreendendo o passado que podemos dar sentido ao presente e projetar o futuro (ARANHA, 2006, p. 17).


Na relação entre o texto I e o texto II, é CORRETO inferir que:


O texto II completa o texto I.


O texto I contradiz o texto II.


O texto I explica o texto II.


Os dois textos não se relacionam.


O texto II é uma crítica ao texto I.

“O tempo é o sentido da vida. (Sentido: como se diz o sentido de um riacho, o sentido de uma frase, o sentido de um pano, o sentido do odor” (CLAUDEL apud ARANHA, 2006, p. 20). Sobre o sentido da história como dimensão fundamental da condição humana, é CORRETO afirmar que:


A assimilação da herança cultural constitui-se como um evento isolado dos processos históricos.


A história não se relaciona com o trabalho e com a produção da cultura.


O homem é um ser abstrato e universal, já que o tempo sempre se esgota na ação que ele realiza.


O uso instrumental da memória é fundamental para a construção de uma visão da história como processo.


O homem é um ser formado no conjunto das relações sociais, políticas, éticas e estéticas de um contexto histórico-social concreto.

Leia, com atenção, as afirmativas a seguir.

 

I Em suas pesquisas iconográficas, Philippe Ariès constatou que a criança permaneceu no anonimato durante muito tempo. Até por volta do século XII, a arte medieval desconhecia a infância ou não tentava representá-la.

II Os adultos conservaram por muito tempo o hábito de brincar com o sexo das crianças, acreditando que a criança impúbere se mantinha alheia e indiferente a questões sexuais.

III Com Pestalozzi, no século XVIII, o conceito de criança marcou sua presença na história. Esse pensador revelou a natureza infantil, destacando a importância de se respeitar a natureza das crianças.

 

Está CORRETO o que se afirma em:


II, apenas.


I, apenas.


II e III.


I e III.


I e II.

Páginas: 123456789